Data: 23 / 04 / 2014     -     Horário: 09:46

A Questão do FEEDBACK na Comunicação

Publicado por - sexta-feira 1 de abril de 2011 - às 0:01

Rita Alonso

Você tem se preocupado em pedir feedback para as mensagens que envia?

Apesar de hoje em dia ser bem usual, nem todas as instruções chegam através de e-mails; o que seria mais fácil para provarmos o que nos foi solicitado. Ou vice-versa, que tenham feito exatamente do jeito que solicitamos.

Estamos no tempo do “urgente urgentíssimo” e na época do “é para ontem”.

Uma piada clássica é a do chefe que consulta seu subordinado dizendo:

“- Almeida, qual o número deste pedido?”

E o Almeida responde: “- O quê chefe? Eu estou despedido?”

Da próxima vez que tiver que passar informações aos seus subordinados, colegas, superiores ou clientes, peça feedback do que você disse, pergunte se entenderam e se você foi claro. Faça o mesmo quando receber mensagens confirmando o que lhe foi dito.

Diga frases do tipo:

“- Bem, vejamos se entendi direito: você quer dizer que…”

“-Então o prazo para entrega será de 15 dias?”

Costumo dar como exemplo o caso do gestor que chega para seu subordinado e solicita que o relatório fique pronto “o mais rápido possível”. E o funcionário pensa: “-Vou surpreender meu chefe, amanhã de manhã, na primeira hora, quando ele chegar, vou entregar o relatório!”

Porém ao final da tarde, o chefe lhe pergunta se o relatório já está concluído. O funcionário surpreso diz que irá lhe entregar amanhã de manhã, ou seja, o mais rápido possível para ele.

Pois bem, o mais rápido possível para o chefe é hoje à tarde e para o funcionário será amanhã de manhã. Isto somente aconteceu porque não houve comunicação eficiente entre os dois. Se o funcionário tivesse perguntado o que seria “o mais rápido possível”, este desencontro não teria ocorrido.

Antes de você emitir um julgamento a respeito de algo ou mesmo dar a sua opinião é importante certificar-se que compreendeu, reproduzindo o que escutou. E isto, principalmente, se o seu modo de pensar está diferindo daquele com quem fala, pois com certeza esta é a ocasião mais difícil de escutar alguém com atenção.

Ouça para compreender o significado do que está ouvindo e não para dar uma resposta “bacana” ao seu interlocutor. Isto denota que seu primeiro objetivo ao ouvir alguém deverá ser tentar perceber com exatidão o que ele pretende transmitir. A resposta, com certeza, virá posteriormente.

E se mesmo assim ainda restar dúvida, repita o que entendeu àquele que lhe passou a mensagem para certificar-se que você compreendeu precisamente da forma que ele deseja, pois uma simples palavra percebida de forma não correta, pode trazer grandes transtornos.

Nunca tenha pressa em responder, tenha paciência com a conversa sem antecipar o que o outro vai falar, e se você verificar que é o outro quem está com pressa peça desculpa a ele e explane o que entendeu e pergunte se é isso mesmo o que ele quis dizer.

Isso evitará uma série de problemas futuros, e te dará maior segurança na execução das suas tarefas.

Cuidado com as palavras dúbias, as perguntas sem respostas e as famosas “sinucas de bico”…

Da próxima vez que lhe perguntarem quanto mede um prédio alto ou qual a idade de uma mulher velha, apenas sorria, pois você poderá estar sendo filmado…

Sobre a autora:

Rita Alonso: Professora de Recursos Humanos da Universidade Estácio de Sá há 20 anos. Instrutora dos Cursos do SEBRAE, SENAC e SESC. Funcionária há 25 anos da Riotur/Controladoria Geral do Município. Desenvolve trabalhos de consultoria organizacional, ministra treinamentos e palestras motivacionais.

site: www.ritaalonso.com.br

e-mail: ritaalonso@ritaalonso.com.br

SocialTwist Tell-a-Friend

Conteúdo Relacionado

55 Comentários

  1. MARCIA PALMER
    1 abril, 2011, 20:31

    :wink: Realmente presenciamos esse incidente com muita facilidade nos dias de hoje.
    Aquela ansiedade que mora dentro do indivíduo e a necessidade de auto-afirmação em sentir-se considerado capaz, leva facilmente um indivíduo a cometer esse erro.
    Um dos grandes “porquês” desse problema, realmente está na dificuldade de interpretação. Interpretação no sentido íntegro da palavra. Interpretar com sua experiência pessoal e vivência do momento. Em um texto onde elaborei uma… “definição de interpretação, comecei com a análise de “in” um processo  interior, íntimo, onde é o ponto de partida para codificar algum instrumento”…seja ele qual for: como auditivo, escrito,visual entre outros em que estamos cercados. Esses estímulos externos somados ao “in” de cada um, caracterizará a qualidade da interpretação e por sua vez a sua resultante, no caso aqui o real feedback. Todos devemos estar atentos aos fatos para que possamos ser capazes  de não se sujeitar às variáveis que não atenderam ao pedido final… o fedeback. CRP-6672/4

  2. 1 abril, 2011, 20:47

    Rita para mim o maior problema é a comunicação, ou melhor a falta dela. Todos gostam de receber feedback, mas nem todos se preocupam e em sabem dar um feedback. Além do tempo que realmente anda curto e é de suma importância, outro fator deve ser levado em conta, a maneira correta de se comunicar, uma vez que uma comunicação inadequada pode causar muitos prejuízos e gerar outros tantos mal entendidos. No próprio texto é claro que quando um gestor ou chefe não se comunica bem, não é claro o bastante ( falta de feedback) é provável que seus subordinados não atendam suas determinações. Eu sempre gosto de receber feedback e por isso cobro. Mas também sou rápido e claro na hora de dar um feedback a um colaborador, justamente por pensar que agindo dessa maneira consigo os resultados almejados. Rita excelente seu texto, para mim você está certíssima, acertou em cheio, parabéns !!!

  3. Aldeci Cardoso Costa
    1 abril, 2011, 21:39

    Boa noite!
    Acredito que o feedback é sempre um termômetro de nossas ações. As vezes podemos achar que estamos agradando, mas ao invés disso, estamos deixando de preencher as necessidades do outro, e também as nossas de forma plena. Precisamos de um olhar mais distanciado, que nos sinalize e nos posicione quando não estamos a contento.

  4. Sonia marizavaini tonete
    1 abril, 2011, 21:42

    Boa noite princesa linda ,Rita vc me ensinou a eu tomar mais cuidado ainda mais eu que tenho pouco estudo e escrevo errado ,sempre falo para as pessoas lerem com o coraçao ,mas vou procurar escrever com mais calma e atençao ,as vezes um a a mais faz a diferença do Almeida foi o te risos ,amiga continue passando para nos com todo seu carinho e amor coisas para aprendermos ,sem vc saber vc está ajudando pessoas de longe que o papae do seu abençoe sempre essa princesa linda que tanto amo 1000000000000000000…………………bjos.

  5. Margarete Fernandes da Silva
    1 abril, 2011, 23:52

    Olá, Rita.

    Exemplos excelentes, conselhos que se aplicam em qualquer área. Muito bom. Na área da Educação preciso sempre adaptar esses exemplos, mas o objetivo é o mesmo: comunicação sem ruído. Estou preparando alguns projetos a partir do ppt disponível na net (Busque ‘Relações Dialógicas Margarete Fernandes da Silva’ no google) que apresentei durante a Semana da Educação do ano passado aqui em Santos. Postei um comentário para você que iria aproveitar o trecho editado de “Desafio de Gigantes”, lembra-se? Agradou muito e o resultado foi continuarmos com o trabalho durante o ano. Siga com suas publicações e creia que estão nos auxiliando bastante.
    Beijos. Meg

  6. 2 abril, 2011, 7:59

    Tudo que foi colocado é o que acontece. Parabéns pelo texto. Na nossa empresa vivenciamos muito isso.

    Tem o caso de um funcionário nosso que ligamos diversas vezes para o celular dele e não atendeu. Depois que o encontramos falamos. O telefone tocava, tocava e o senhor não atendeu? E ele prontamente respondeu: Estava a “vibrare” e não a “tocare”! Pior que não é piada. Foi pura verdade. Tb. consideramos um problema de comunicação. Na realidade ele não atendeu por estava na posição de vibrar e não tocar! Mas do jeito que falou parece piada! Um abraço!!!

  7. 2 abril, 2011, 9:49

    Parabéns Rita, por esse texto relevante para os nossos dias. Gostei demais de lê-lo, porque já passei por algumas situações constrangedoras, exatamente por ter deixado de assegurar-me do entendimento do que havia solicitado através de e-mail. Desde então tenho o hábito de sempre ler e reler antes de enviar uma mensagem, seja por e-mail, seja por publicação nas redes sociais. Você ajudou muito seus leitores com a clareza e a beleza do seu texto. Você escreve muito bem.

  8. 2 abril, 2011, 10:25

    Olá Rita ! Obrigada por compartilhar seu artigo. A comunicação, algo tão básico e sendo um dos primeiros aprendizados que buscamos, desde que nascemos. Passamos a vida toda precisando aprender e aperfeiçoar….mas neste contexto, é bem possível que a consideração, respeito humano, interesse pelo outro e capacidade de empatia, poderiam ajudar e muito nos processos de comunicação. Você concorda?
    Não é possível que não se aprenda a realizar a comunicação adequada durante uma vida inteira, o que precisamos aprender é compreender e AMAR as pessoas, desta forma a comunicação pode ser plena! Abraço!

  9. Siegfried S Albuquerque
    2 abril, 2011, 13:24

    Cara Rita, gostei muito do seu artigo e que aborda com muita precisão as dificuldades (e soluções) da comunicação do chefe para subordinado, e vice-versa, com o necessário feedback. Ao longo de minha carreira, sempre me preocupei com o tema, em emitir exatamente o que desejava do profissional ou da equipe que iria desempenhar a tarefa. Acrescento a necessidade do chefe fiscalizar, sempre que possível, o desenvolvimento de como o trabalho está sendo cumprido para corrigir, se for o caso, eventuais falhas de “feedback”, evitando assim, ser surpreendido negativamente ao final das tarefas.
    Parabéns, querida, por sua ótima contribuição no tema!!! Forte abraço, Siegfried

  10. Maurício da Silva
    2 abril, 2011, 17:56

    Boa tarde, Profª Rita.
    É de suma importância que haja uma boa comunicação entre as esferas hierárquicas de uma corporação, bem como, entre seus departamentos e, assim, sucessivamente até chegar a área operacional, onde realmente se terá uma exata noção de como foi passado e/ou compreendido as diretrizes, as metas e os objetivos, de acordo com as perspectivas da empresa, face ao segmento  mercadológico em que ela atua. Entretanto, a comunicação deverá ser o  mais rápido possível, de forma clara e concisa;  de fácil entendimento para que se tenha o retorno necessário e preciso para elaborar o Plano de Contingência frente aos concorrentes. Agora, dentro das organizações, se faz necessário que os gestores saibam como comunicar, como passar as informações e como lidar com a pluralidade cultural. São detalhes importantíssimos que farão a diferença no produto no produto final.

    Parabéns, pelo artigo. Ele é ótimo.

    Abraços.

    Maurício

  11. Maria Zenaide
    2 abril, 2011, 20:00

    Boa noite! Rita, aprecio demais os seus artigos, pela relevância dos questionamentos e também pelo seu estilo de escrever. Parabéns! Comunicar-se plenamente é um desafio, pois as relações sociais estão permeadas de valores plurais determinantes, que exigem do emissor de qualquer mensagem, mais do que se fazer claro nos aspectos formais da fala; exige, essencialmente, que crie vínculos de confiança e credibilidade com o receptor, nos aspectos mais complexos das relações humanas. Creio que é através das formas de comunicação mais complexas que atingimos os resultados desejados. O feedback será sempre indispensável para uma futura constatação da razoabilidade do emissor de uma mensagem que “ficou pelo caminho”, ou não. Não posso imaginar qual o meu nível de capacidades nessa tentativa de lhe comunicar minha opinião, mas agradeço a oportunidade de comentar seu oportuno Artigo: Muito obrigada!

  12. Cassemira Maia Kopycki
    2 abril, 2011, 20:18

    O texto nos alerta para um fato muito importante no dia a dia: A importância de uma comunicação clara, objetiva. 
    Muitos problemas de relacionamento , com certeza poderiam ser evitados se a comunicação fosse transmitida de forma compreensível.

  13. 2 abril, 2011, 21:41

    :) Parabéns ! É mesmo uma via de mão dupla. É como o “namoro” , requer atenção, empatia, sinceridade, paixão e tudo mais, incluindo discutir a relação!!!..rsrs

    Grande beijo e prazer imenso ler os seus artigos…já sou “freguesa”

  14. Míriam Martins
    2 abril, 2011, 22:12

    Oi Rita, que interessante este texto, pois isto ocorre corriqueira-mente nas organizações, a falta de paciência a correria… deixamos sempre alguma coisa para trás, entendemos alguma coisa errada, assim o funcionário não sabe se esta agradando ou não.

  15. Míriam Martins
    2 abril, 2011, 22:13

    Oi Profª Poderias vir aqui para Porto Alegre dar alguma palestra, seria muito interessante.

    Beijo

  16. Nadja Oliveira
    2 abril, 2011, 22:48

    :lol: Gostaria de parabenizá-la pelo artigo, o mesmo nos faz refletir sobre a forma como está o nosso relacionamento com as pessoas nos diversos setores da nossa vida.
    Paz e Saúde!

  17. 3 abril, 2011, 0:02

    :wink: Olá professora Rita. 
    Seria ótimo eu ter conhecido o seu site ANTES porque as mensangens que você escreve me ensina muita coisa como por exemplo pedir um “FEEDBACK” e pedir que a pessoa repita a ordem que me foi dada.

    Beijão

  18. nadia martins
    3 abril, 2011, 11:22

    É frequente a gente se pegar fazendo isto. Em vez de ouvir e repetir para saber se entendeu, na ansiedade sair dando uma resposta rápida e muitas vezes precipitada demais para a questão. Gostei muito.

  19. 3 abril, 2011, 16:14

    Rita:

    A pressa, irmã da precipitação, é um produto do mundo moderno, e não há como fugir dela.

    Isso vem roubando das pessoas a intimidade, o carinho, a paixão e o amor com que antes nos entregávamos a uma missão, um projeto, porque agora tudo é “pra ontem”. Sou um sujeito comum, tenho limitações como qualquer outro, mas não me deixo envolver por certas situações, por isso, atento ao seu conselho, nunca me apresso nas respostas e tenho muita “paciência com a conversa sem antecipar o que o outro vai falar”.

    Dependendo da pergunta, tenho sempre um sorriso guardado, pois sei que posso estar sendo filmado”!

    Um abração…

  20. Francisca Montarroyos
    3 abril, 2011, 16:53

    A questão do Fedeeback em uma organização é muito importante, tanto para a empresa como tb pra o colaborador, tem colaboradores que não gosta de ouvir falar sobre Fedeeeback, pois acha que será criticado…não sabe que isso é muito importante para ele e para sua empresa….amo falar sobre isso……FEDEEEBACK!!!

  21. Marilda Ormy
    3 abril, 2011, 16:55

    Olá Rita,

    Bastante pertinente suas dicas.
    Eu radicalizo quando acredito que “a comunicação equivocada é o que atravanca o desenvolvimento da humanidade”.

    Gosto muito de te ler, receber teus escritos.
    Beijo

  22. michele couros
    3 abril, 2011, 17:06

    a questão da comunicação é tão importante que nós já nascemos nos comunicando…
    seria impossivel execulta qualquer tarefa dentro de uma organização sem o fedeeback,pois é o que de fato mostra se estamos no caminho certo ou se algo está dando errado..um fedeeback é sempre visto de uma forma construtiva para que possamos entender e cada vez melhorar nos nossos resultados.

  23. Andre
    3 abril, 2011, 17:57

    Oi Rita! Muito oportuno esse texto, pois mostra a dificuldade das pessoas em querer somente

    se expressar e não ouvir. E quando isso ocorre há o diálogo de surdos.

    Felicidades!

    Um abraço.

  24. sheila
    3 abril, 2011, 18:57

    Ola Rita, é um texto que nós deixa a refletir muitas vezes a nossa anciedade nós prejudica tal maneira que não tem como mais reverter temos que ouvir mais e falar menos …é uma grande satisfação ter sua amizade um abraço com muita paz e luz sua amiga She SP.

  25. Edione
    3 abril, 2011, 19:59

    O artigo aborda uma questão delicada também: Como solicitar o feedback sem parecer desatento, disperso…
    Concordo que realmente muitos conflitos poderiam ser evitados se as pessoas prestassem mais atenção e conferissem as informações antes.
    Muito desperdício de tempo, mão de obra, recurso, muitas vezes acontecem por falta de atenção ou até mesmo porque faltou confirmar alguma informação.

  26. Marta Lucia
    3 abril, 2011, 20:16

    Excelente texto, Profa Rita, como dizemos “a comunicação que você faz é o resultado que você obtém”. Diante disso, é sempre conviniente checar o que estamos falando por ai, e certificar s informsções…e quando por descuido acontecer uma comnicação inadequada, as palavras de ordem: desculpe-me, perdão e o esclarecimento sempre é de bom tom. bjo

  27. Priscila D' arc
    3 abril, 2011, 22:56

    Olá Rita, sem dúvida nenhuma esse texto só me acrescentou pois acabei de me formar em Processos Gerenciais, mas a reflexão ser também para nossa vida pessoal, obrigada por compartilhar conosco algo tão precioso e interessante. Sucesso e fique com Deus.

  28. Mariane Alves
    4 abril, 2011, 0:53

    :wink: A falha na comunicação é a pior situação pela qual alguém pode passar. Muitas vezes nos deparamos com acontecimentos aos quais nos fogem o conhecimento por pura falha na comunicação. Uma pessoa desanimada com o setor e com a pessoas com quem trabalha pode gerar um verdadeiro caos em uma empresa. Todo administrador deve estar atento a esse tipo de situação: verificar constantemente o nivel de aceitação entre colegasd de trabalho para que a comunicação e o retorno desta seja perfeita. Parabéns pela matéria professora, eu faço muito bom uso de seus conhecimentos. Abraços Fraternais..Mari

  29. Lidia
    4 abril, 2011, 9:36

    Oi Professora Rita, em primeiro lugar, gostaria de te agradecer pelos materiais enviados. Estão sendo muito úteis para mim, uma vez que estou trabalhando na área de treinamento e recrutamento e seleção pela primeira vez assumindo um departamento. Estou lendo tudo o que você me manda e tirando o melhor proveito deste material.
    Quanto à comunicação e feedback é muito importante em tudo que nos envolve.
    Tanto na vida pessoal, quanto na profissional. Peço muito feedback aqui no meu trabalho, mas também na faculdade.
    Faço Gestão de Recursos humanos e estou me formando agora no meio do ano. Sempre temos trabalho e seminários para apresentar. Nesses momentos é muito importante a comunicação e a compreensão do que está sendo proposto.

  30. Debora
    4 abril, 2011, 13:15

    Boa tarde,professora

    Nem todos gostam de ouvir feedbacks. O problema é o mito que o feedback está cercado. Para muitos são apenas críticas,mas para outros é um fator essencial para o desenvolvimento profissional e humano.
    É necessário derrubar tais mitos e fazer com que as pessoas enxerguem este novo conceito de feedback,um feedback humano,que propicia ao trabalhar se desenvolver de forma plena e contínua dentro da empresa.

  31. 4 abril, 2011, 16:23

    Olá Rita, como vai?

    Tenho dito com uma certa frequência ultimamente que, nunca numa época em que temos os mais variados meios pra nos comunicarmos bem, NUNCA nos comunicamos tão mal!!!
    Dizem que o responsável pela comunicação é sempre o interlocutor,
    que fala, e ACHA que o outro entendeu. Pois é! rs

    Acho que o maior erro que podemos cometer na comunicação é acharmos que o outro olha pra algo e vê o mesmo que a gente!
    Quem dera…rs

    Abraços.

  32. Maicon
    4 abril, 2011, 16:36

    Olá professora Rita, muito bom este artigo, vai me ajudar bastante, tenho essa dificuldade no dia a dia, pois quando delego uma função sempre acho que entenderam bem, e que será executado o mais breve possível, mas na prática não é bem assim, e também tenho dificuldade para expressar o óbvio, mas realmente agora vejo que é necessário, temos que ser claro e objetivo, e nunca esquecer do feedback. Obrigado.

  33. 4 abril, 2011, 16:54

    Muito bom este texto e reflete a realidade, hoje, nas empresas. Presto consultoria e, depois de realizado o diagnóstico, ao dar o feedback para a organização e digo que a maior parte dos problemas se resume em deficiência na comunicação, a diretoria fica boquiaberta, quase não acreditando, e começam a se justificar dizendo que investiram em tecnologia, há intranet, e-mail interno, informativo, murais, etc. Ok. E o tal do feedback? Talvez a necessidade da famosa rapidez esteja fazendo que as pessoas se preocupem apenas com uma via única da comunicação: a descendente. Mas, como todo relacionamento, a comunicação também é uma “rua de mão dupla”, ou seja, deve ir e deve retornar… Parabéns, Rita! E já comunico-lhe que vou pegar este teu texto emprestado e colocar em meu blog… eheheh

  34. Simone
    4 abril, 2011, 17:41

    Rita, realmente estamos carente de comunicação nas empresas e isso causa um transtorno, pois uma comunicação falha poe em risco todo departamento. Seus artigos nos faz sempre lembrar o que temos que melhorar nas empresas e setores para que possamos estar sempre sintonizados.

    Um Abraço.

  35. Cadu Reis
    4 abril, 2011, 19:24

    Rita, parabéns pelo artigo.
    Eu e minha noiva aprovamos tudo que colocou ali, continue sempre assim.
    Abraço

  36. @rvpprado
    4 abril, 2011, 21:48

    É isso aí. Como dizia o ‘velho guerreiro’, “quem não se comunica, se estrumbica”.
    E muitas vezes achamos que estamos dizendo tudo o que queremos mas não é bem assim!

    Legal, valeu!

  37. Maria Claudia
    4 abril, 2011, 22:37

    Isso nos serve de alerta em nosso dia a dia, em nosso trabalho, em nosso ciclo de amizades, em nossa casa, pois as vezes penalizamos, julgamos as pessoas, mas as vezes o erro está conosco e nem percebemos se fomos claro. Volto a dizer que devemos nos voltar a fazer um Coaching de nós mesmos e nos reavaliar-mos, para que possamos, melhorar nossas condutas e ações em nosso dia a dia. Rita, adorei a Reportagem e espero em breve ler e comentar sobre seus artigos. Parabéns!

  38. gentil busnello
    4 abril, 2011, 22:48

    Sabe professora, o que acontece é que a gente é treinada a falar e a dar ordens; mas se houvesse cursos de ESCUTATORIA, então se aprende a pedir o feedback; todos os que exercem cargos aonde se lida com pessoas deveria ter mais tenpo para ouvir.

  39. michelle tomás
    5 abril, 2011, 19:36

    É sempre bom ter atençao a tudo o que ouvimos para depois ter a certeza do que fazemos,porque é tao mau depois ouvir o dito por o nao dito…… :( a pessoa pode ter vergonha de pedir para repetir porque passamos por surdos ou pouco profissionais ou mesmo medo de apanhar o superior mal disposto!!!!mas é melhor enfrentar isso para depois sermos bem sucessidos porque falando é que a gente se entende…..bjokitas de portugal

  40. Guilherme Spinelli
    6 abril, 2011, 10:08

    :)Oi Rita. Gostei muito do texto. A falta de comunicação é enorme! acho que contribuem para esta doença a nossa cultura, a vergonha de perguntar e as dificuldades pessoais de relacionamento. É uma atraso! abrçs Spinelli.

  41. Viviane Viana
    7 abril, 2011, 1:11

    Rita! Muito bom o texto! Ele destaca exatamente muitos erros de comunicação, que são gravíssimos quando se tornan frequentes. Parabéns pel artigo! Com certeza você sempre oferece dicas ótimas a todos que frequentam suas páginas! Obrigada! Abraço, Viviane Viana

  42. marcia ribeiro
    7 abril, 2011, 8:37

    Querida Rita fico muito feliz em ter te conhecido mesmo virtualmente,amiga tenho aprendido muito com as suas palavras de motivação,tanto que agora aos meus 44 anos voltei a estudar e estou o curso superior de administração,aprendi que que enquanto temos tempo temos que aproveitar para fazer algo que sinceramente importe,coisas guardadas no baú das nossas lembranças,muito obrigado por esta experiência que através de vc ´todos nós tivemos a cada dia que lemos os seus artigos,um grande beijo e que a paz de Cristo Jesus único salvador de nossas almas preencha a sua vida,que Deus te proteja e te dê cada vez mais conhecimento e que você possa estar nos passando os seus aprendizado. Um grande beijo.

  43. Maria Aparecida Souza da Cruz
    7 abril, 2011, 9:57

    Olá Rita, como vai? Estou respondendo o seu email para fazer um
    comentário sobre o seu texto referente a questão do Feedback. Acho
    muito oportuno as suas considerações acerca do tema, tanto no que se
    refere a importância das informações serem sempre repassadas como
    também de forma a facilitar o trabalho e não prejudicá-lo gerando
    gastos desnecessários e estresse.

    Um abração, Maria Aparecida

  44. 7 abril, 2011, 12:13

    Olá Rita! Parabéns pelo seu trabalho e contribuição para o desenvolvimento das pessoas. Percebo nos seus textos o seu nobre propósito e isso é muito bom! Com relação a reflexão sobre o feedback, com certeza trata-se de algo muito importante no relacionamento interpessoal. Quando trato desse assunto em meus trabalhos, digo sempre que precisamos descontruir o conceito equivocado que ficou nas empresas como se fosse “lavar roupa suja”, e entender o feedback como algo sempre positivo pois contribui para o desenvolvimento das pessoas e do relacionamento. Por isso acrescentaria que todos devemos saber pedir e dar feedback, especialmente quando se tratar de elogiar e reconhecer o trabalho, o mérito e o valor do outro. Aproveito para fazer isso agora: seu trabalho é valioso! Parabéns! Que Deus te abençoe em sua missão! Também convido para acessar o meu blob recém criado http://blogdaanimaconsultoria.blogspot.com e colocar o seu comentário, no artigo que coloquei lá essa semana. Virão outros. abraços

  45. Manoel A Fernandes
    8 abril, 2011, 11:15

    Muito bom artigo. Estamos na era da informatização, globalização, as comunicações se tornaram mais fáceis, ou seja, temos email, celular, radio transmissores, enfim tudo o que é possivel para uma comunicação rápida, apenas está faltando um pouco mais de paciência e dedicação dos colaboradores entre si, sempre atender o seu colega de trabalho com muita presteza e muito calor humano. Não adianta termos máquininhas fantásticas, se o principal”nós” não sabermos utiliza-las. Parabéns RITA.

  46. Julio Pessoni
    10 abril, 2011, 13:45

    Nossa muito bom, acho que a comunicação
    é muito importante para uma maior eficácia e
    para execução de qualquer coisa de que lhe foi
    pedido…Parabéns

  47. Marcos Rodrigues
    10 abril, 2011, 15:58

    :-P Prof° Rita , a senhora fez um artigo muito excelente e muito real também , a questão de uma boa comunicação dentro de uma organização é de suma importancia , nós como gestores , temos que ser bem claros na hora de um feedback temos que saber se a mensagem que queremos passar foi relmente clara , e objetiva.
    Nós como gerentes , supervisores e lideres , temos que fazer a diferença sabendo ouvir e sendo claros.

    Parabéns Prof° Rita . grande Abraço

  48. Rosana Coelho
    10 abril, 2011, 17:19

    Rita Alonso, parabenizo pelas palavras descritas sobre o tema Feedback, algo incomum nos dias de hoje, mediante a insegurança do profissional em compartilhar informações com seus colaboradores. Algo a ser aprendido por todos e colocado em prática no dia-a-dia para melhor desenvolvimento de cada um de nós.

  49. Regina Coelho
    10 abril, 2011, 18:10

    Nesse mundo de urgência em que vivemos, como você disse, onde tudo “é para ontem”, temos mesmo que nos preocupar com o feedback na comunicação. A pressa pode ser uma inimiga da boa comunicação, ouvir o outro com atenção, entender o que está sendo dito sem se preocupar em formular uma resposta pode evitar erros na interpretação e impactos negativos no relacionamento com colegas e chefes, afinal! ser compreendido e atendido no que se quer é o que todos esperam, sejam colegas, chefes, amigos, família, etc. Pena que, muitas vezes, por questões culturais, pessoais, falta de habilidade em expressar o que se sente, seja tão difícil dar e receber feedback.

  50. Elizabete
    11 abril, 2011, 23:47

    Profª Rita, a cada artigo que você escreve posso tirar conclusões para aplicar no meu cotidiano.Você realmente está de parabéns por esse artigo,por que quando não fazemos esse feedback na comunicação surgem os ruídos que vão influenciar mais tarde na nossa tomada de decisão.Abraços e que Deus te ajude sempre!!!

  51. Daniele
    13 abril, 2011, 21:37

    Olá Prof.ª Rita!! Vc escreveu sobre um tema tão conhecido por nós, mas que apesar de batido ainda é problema na maioria das situações do nosso dia-a-dia que é a correta comunicação entre as pessoas.
    Concordo com vc que muitas situações difíceis que vivemos em nosso cotidiano decorrem do desentendimento do que foi comunicado.
    Tinha um professor na faculdade que dizia que vivemos num mundo onde conseguimos informações sobre qualquer coisa muito rápido! Os meios de comunicação, a internet nos permitem isso… mas, de nada adianta ter a informação se vc não sabe usá-la. Ele dizia ainda que a informação passa a ser mais poderosa, quando conseguimos transformá-la em conhecimento e acho que esse é o fundamento da comunicação. Ainda, solicitar feedback sobre o que falamos, pedimos, escrevemos é importantíssimo, porque somos diferentes e é natural que nem sempre deixemos as coisas tão claras de serem entendidas, então para certificar-se de que o que eu quero transmitir de fato foi entendido, é inevitável solicitar um feedback dos envolvidos!!
    Espero que vc continue sempre escrevendo sobre assuntos que nos levam a reflexão e nos fazem querer melhorar em pequenos aspectos do nosso dia-a-dia que se não corrigidos, podem transformar-se em problemas maiores!
    Abraços, Daniele Besseler

  52. 24 abril, 2011, 15:57

    Realmente a prática do feedback hoje em dia é essencial, assim como o perfeito entendimento dele, pois uma palavra destorcida pode causar grandes transtornos.
    O artigo fala exatamente onde podemos pecar nesta situação e nos alerta para que não sejamos pego de surpresa quanto a esta prática.
    Preocuremos nos atualizar sempre nas ferramentas disponiveis, mas a melhor das ferramentas vem de nós mesmos em sempre nos preocupar com o entendimento correto do feedback.

  53. Edvania
    25 abril, 2011, 0:29

    Boa noite Rita !

    Adorei o texto, realmente hoje existe uma falta de comunicação e entendimento absurdo em qualquer setor, Acredito que as vzs a falha principal vem de cima, quando contratamos alguém para trabalhar falhamos em ser o mais claro possível na questão do Feedback, conheço algumas empresas que usam isso literalmente na ponta do lápis, Acredito que para evitar casos como o que vc citou acima sobre *o mais rápido possível para um nem sempre é o mais rápido possível para o outro* na ponta do lápis se torna um hábito e facilita a comunicação. Parabéns pelo texto. Edi

  54. Meg
    9 maio, 2011, 21:05

    Rita, querida.
    Amanhã coloco esse artigo no power point para as Assistentes de Direção das Escolas da cidade. Embora apareça no ppt, vou ler e representar. A cada vez que faço a palestra “Relações Dialógicas’, carro chefe apresentado na Semana da Educação ano passado, acrescento alguma coisa interessante. Hoje, encontrei esse artigo guardado. Já havia lhe prometido utilizar. E vou. Também fiz um ppt sobre ‘A lenda egypcia do peixinho vermelho’, uma metáfora das organizações. Ela foi citada no livro Libertação do Chico Xavier sob outro contexto, mas sua autoria é desconhecida. Iremos disponibilizar tudo no portal da Seduc de Santos, mas quero deixar desde já disponível no seu site. Vou encaminhar por email. Utilizei vídeos do youtube que encontrei junto a suas entrevistas e artigos. Nada mais justo que trocar informações, amiga.
    Saudades. SUCESSO!!! Meg

  55. 21 setembro, 2011, 17:17

    Parabéns Professora, p/ sua capacidade infinita que sempre nos surpreende e enriquece, ao lermos os seus artigos sobre os mais variados temas. Sou sua admiradora e me sinto muito honrada por receber suas mensagens. Quando eu crescer quero ser igual a você. Muito suceso, se é que isso ainda é possível, que Deus continue iluminando sua vida e sua inteligência rara.

Deixe um comentário